PESQUISAR

Como fazer a gestão de custos e riscos no agronegócio

Tempo de Leitura: 9 minuto(s)

Publicado em 6 de Dezembro de 2018. - Atualizado em 22 de Novembro de 2018 às 13:50. Por: SÉCULO XXI - CONVENIADA FGV.

TAG's: fazer, gestao, custos, riscos, agronegocio

O agronegócio mundial está vivendo um processo mais moderno, globalizado e competitivo em todos seus aspectos, e a eficiência produtiva vem representando uma das metas de qualquer empresa rural que busca maior eficiência na gestão de custos e riscos no agronegócio.

Fato semelhante vem ocorrendo também com o Brasil, onde a agricultura e a pecuária são cada vez mais intensificadas, possibilitando melhoria significativa do aumento de produtividade.

Mas, junto a isso, os custos e riscos no agronegócio tendem a se intensificar na mesma proporção. Dessa forma, o produtor rural precisa se adaptar, de modo eficiente, às mudanças que ocorrem diariamente no sistema, possibilitando que sua empresa rural tenha mais saúde e um crescimento mais sustentável.

Para entendermos melhor estas questões, discutiremos neste texto a importância de uma boa gestão para qualquer empresa rural, principalmente quanto aos seus custos e riscos inerentes à atividade.

Gestão de custos: fundamental para a saúde da empresa rural

Na ciência econômica, a palavra “gestão” está diretamente relacionada com o ato de gerir, administrar e/ou gerenciar um negócio em prol de um objetivo final.

Quando aplicado na gestão/administração de uma empresa rural, este conceito está diretamente ligado ao processo de gerenciamento das atividades administrativas e financeiras do empreendimento, possibilitando que essas ações sejam realizadas com o intuito de se alcançar os objetivos do produtor rural.

Vários podem ser os objetivos de qualquer empreendimento rural, que se enquadram nos seguintes tópicos:

  1. administrar/gerenciar os recursos produtivos (capital, terra e trabalho) disponíveis;
  2. modificar o método produtivo das atividades tornando-as mais eficientes, como implantar um sistema de irrigação no plantio ou construir um novo galpão para a criação de aves;
  3. trazer mais lucratividade ao empreendimento, por meio do aumento da produção das atividades agropecuárias ou através do controle dos custos;
  4. diminuir ou ao menos enfrentar os riscos inerentes à atividade agropecuária, por meio de tomadas de decisão mais assertivas;
  5. melhorar o padrão de qualidade de vida da família.

A partir destes tópicos, conseguimos visualizar que a gestão de qualquer negócio rural tem relação direta com uma melhor gestão de custos e riscos no agronegócio.

Em razão disso, o produtor/empresário rural precisa estar sempre bem informado sobre a composição e o comportamento de seus custos, além dos principais riscos inerentes à atividade, somente assim ele poderá elaborar estratégias que busquem as melhores formas de ação possíveis.

Riscos no agronegócio: a importância de uma boa gestão

Assim como ocorre com a gestão de custos, a gestão de riscos também deve ser uma preocupação constante pertinente a toda atividade rural. Mas o que realmente é o risco no âmbito do agronegócio?

O risco pode ser definido como uma incerteza que afeta o bem-estar dos indivíduos, estando frequentemente associado com a ideia de adversidade e perda. O risco também pode ser entendido como uma situação em que há probabilidade mais ou menos previsível de perda ou ganho, ou seja, o risco é caracterizado como um evento incerto, mas previsível.

Neste contexto, todos sabemos que o ambiente do agronegócio é bastante peculiar, inclusive quanto aos seus riscos. Basicamente, cinco são os grupos de riscos mais recorrentes:

1. Riscos de produção

Podem ser tecnológicos, climáticos e biológicos. São considerados riscos, pois podem afetar, principalmente, a produtividade da atividade.

2. Riscos de mercado

Estes podem ser a curto prazo (pela variação do preço dentro do ciclo biológico) ou a longo prazo (em virtude da variação dos preços além de um ciclo produtivo). Há também o risco relacionado à inflexibilidade do negócio (dificuldade em mudar de atividade em momentos de crise).

3. Riscos financeiros

Estes riscos têm relação direta com os custos da atividade. Os principais riscos financeiros são: dívidas elevadas, juros altos e relação falha entre consumo e investimento (quando o agricultor gasta todo o dinheiro em consumo e nada em investimento).

4. Riscos pessoais

Este risco é difícil de ser detectado por terceiros. É uma questão de confiança, só se sabe sobre ele conhecendo bem o empreendedor, sua família e estrutura produtiva. Tais riscos podem ser de saúde (doença e acidentes pessoais), quebra de contrato de casamento ou de desavenças familiares, quebra de sociedade e quebra de objetivo principal do negócio.

5. Riscos de conhecimento (ou a falta dele)

Representados pelo não conhecimento da atividade, acesso deficitário às informações e o produtor “parando no tempo”, sem querer reaprender, ou seja, o empreendimento para no tempo por falta de conhecimentos.

Experiência e tradição são importantes, mas é preciso mais

Certamente, uma melhor gestão de custos e riscos no agronegócio se torna a melhor alternativa para que os produtores rurais identifiquem os principais gargalos dentro de seus sistemas produtivos, levantando informações que possam gerar intervenções a fim de aumentar sua eficiência.

No entanto, ainda não é isso que acontece. Observa-se que boa parte dos produtores rurais ainda toma decisões condicionadas apenas às suas experiências, tradições e vivência, sem muitos cuidados com a gestão completa do negócio.

De fato, a gestão de custos e riscos no agronegócio é uma importante ferramenta de análise econômica no ambiente rural. Mas ainda são variáveis desconhecidas pela grande maioria dos produtores brasileiros, provocando o estrangulamento do agronegócio, já que essas informações são sempre imprescindíveis para o processo de tomada de decisões.

Assim, quando a rentabilidade é baixa, o produtor até a percebe, mas costuma ter dificuldade em quantificar e identificar os pontos que causaram esse baixo rendimento.

Assim, com uma gestão falha dos custos e riscos no agronegócio, as propriedades rurais não conseguem ter controle dos seus custos, culminando em certos riscos, dentre eles cita-se:

  • Desconhecimento do resultado do negócio;
  • Aumento ou diminuição das atividades exploradas;
  • Investimentos realizados que podem ser desnecessários;
  • Menor capacidade de enfrentamento dos riscos;
  • Facilidade de endividar-se; e, por fim
  • Perda de ganhos obtidos por produtividade.

Em razão destes riscos, a gestão da propriedade rural se torna parte importante de todo o gerenciamento da atividade, possibilitando que o produtor/empresário rural obtenha melhor saúde de seu negócio, com possibilidades de crescimento mais sustentáveis.

Gestão de custos e riscos no agronegócio e a tomada de decisão

O agronegócio vive um ambiente no qual a competitividade está em alta em todos os setores e as perspectivas indicam que esse grau de competição seja ainda mais expressivo nos próximos anos.

Dentro dessa perspectiva, o principal papel do empresário rural consiste em alcançar o máximo planejamento, controle, processo decisório e avaliação de resultados dentro da sua atividade rural, visando a maximização dos resultados, permanente motivação e bem-estar de colaboradores.

Dessa forma, assim como ocorre com as indústrias, a gestão de custos e riscos no agronegócio influi diretamente na tomada de decisão. Nesse contexto, a habilidade para desenvolver alternativas é, muitas vezes, tão importante quanto a escolha acertada entre alternativas.

Por isso, uma boa gestão de custos e riscos no agronegócio irá auxiliar o produtor na tomada de decisões mais estratégicas e acertadas em seu empreendimento. Mas será que fazer isso é fácil? É possível para todo tipo de atividade rural?

Respondemos que é totalmente possível, mas talvez não seja tão fácil sem o conhecimento correto, pois isso depende de maior compreensão do administrador rural sobre essas variáveis, como veremos a seguir.

Importância do conhecimento em gestão rural

Com o aumento da competitividade, vem aumentando a preocupação de produtores e empresas rurais em promover uma melhor gestão de custos e riscos do agronegócio.

Entretanto, estas variáveis são desconhecidas pela imensa maioria dos produtores brasileiros, e aqueles que as conhecem ainda cultivam muitas dúvidas. Dessa forma, se o produtor realmente deseja melhorar a saúde da sua atividade via gestão de custos e riscos no agronegócio, ele deve aprimorar seu conhecimento técnico sobre o assunto.

Hoje em dia, já são muitos os cursos especializados em levar conhecimento de ponta a profissionais do campo que buscam aprimorar sua capacidade em promover uma melhor gestão de custos e riscos no agronegócio.

Um exemplo desse conhecimento de ponta são os cursos de MBA em Gestão Empresarial. Tais cursos oferecerão ferramentas que abrirão um leque de oportunidades ao empresário rural, possibilitando que ele consiga gerir seu negócio baseado em custos mais eficazes e riscos mais reduzidos, dando respaldo para uma melhor tomada de decisão.

Com isso, para cada centavo que o produtor conseguir investir em conhecimento, controle de custos e redução de riscos, poderá ser convertido em lucro dentro de seu empreendimento agropecuário, garantindo maior saúde à atividade.

Gostou deste conteúdo? Então continue acompanhando nosso blog e assine nossa Newsletter

VOCÊ PODE GOSTAR TAMBÉM DE:

Comentários:

Século XXI Conveniada FGV - Cursos de MBA, Gestão Empresarial, Gestão Comercial

© 2018 - Todos os direitos reservados

Fundada em fevereiro de 2000, a Século XXI Desenvolvimento Organizacional Ltda. é uma empresa com atuação na área de prestação de serviços em Educação Continuada e Consultoria, com foco no setor empresarial. É conveniada da Fundação Getulio Vargas - FGV Management para as regiões Centro-Oeste, Sudoeste e Alto Paranaíba, do Estado de Minas Gerais.

Século XXI Conveniada FGV - Cursos de MBA, Gestão Empresarial, Gestão Comercial, Avenida São Vicente, 469 - 1º andar - Centro
Tel.: +55 (37) 3212-9525