PESQUISAR

Retenção de talentos: Onde as empresas falham?

Tempo de Leitura: 5 minuto(s)

A retenção de bons profissionais exige a dedicação constante dos líderes, sobretudo, daqueles que atuam no RH do negócio. Quem exerce essa função sabe que lidar com os colaboradores nem sempre é fácil, mas entende que suprir a necessidades deles é a maneira mais eficaz de obter melhores resultados.

Numa de suas pesquisas, o Hay Group constatou que 64% das 450 companhias consultadas têm dificuldade para reter talentos. Dessas, 89% não possuem estratégias formais de retenção e, em 72% daquelas que têm esse tipo de plano, as políticas se dirigem só a cargos-chave. Erros bastante graves.

Para reter é preciso conquistar

E não basta ganhar a confiança e a admiração do colaborador uma única vez. A conquista tem de ser diária, no mínimo periódica, para funcionar. Hoje as pessoas valorizam a liberdade e a inovação e, por esse motivo, o retorno financeiro não é seu único parâmetro de motivação. Elas têm necessidade de reconhecimento social, de participação, de sentir-se pertencente ao grupo e realizadas profissional e pessoalmente.

Perspicaz é a empresa que entende isso e cuida dessas necessidades no dia a dia para manter os colaboradores motivados e produtivos. Um bom plano de retenção de talentos começa justamente na constatação e no atendimento desses desejos.

Principais falhas na retenção de talentos

Muitas companhias pecam em aspectos que os colaboradores consideram importantes para sua satisfação e permanência no emprego. Confira os principais erros e evite-os na sua empresa.

Falha: Dificultar a comunicação

A falta de uma comunicação clara e efetiva acaba gerando mal-entendidos, fofocas e boatos, o que desestabiliza o clima organizacional e desmotiva os profissionais.

  • Como corrigir: invista numa comunicação horizontal, transparente e ágil. Isso impede especulações e amplia a sensação de confiança e pertencimento entre a equipe.

Falha: Negar feedbacks

Evitar feedbacks e dar só críticas negativas como retorno mina a motivação até do colaborador mais dedicado. Profissionais que não obtêm respostas sobre seu desempenho tendem a descomprometer-se e trabalhar em direções erradas.

  • Como corrigir: desfaça o estigma do feedback negativo e passe a usar críticas construtivas. Reconheça sempre as boas práticas e a boa performance dos colaboradores.

Falha: Sobrecarregar os profissionais

Sugar ao máximo a capacidade produtiva do colaborador não significa utilizar bem seu talento. Ao ser sobrecarregado, o profissional deixa de fazer poucas coisas com excelência para fazer muitas de forma mediana.

  • Como corrigir: Aposte no bom senso ao delegar tarefas e exigir qualidade. Analise as habilidades dos funcionários para utilizá-las em favor da empresa, dando a cada um a atividade em que se sairá melhor.

Falha: Menosprezar o colaborador

Parte das organizações mantém a prática de não envolver todos os colaboradores nas tomadas de decisão, ouvindo apenas os membros mais experientes. Isso cria barreiras na comunicação e na evolução dos profissionais excluídos.

Como corrigir: transforme a cultura organizacional dando oportunidade de desenvolvimento a todos e construindo um espírito de pertencimento. Estimule todos a apresentar seu ponto de vista e propor soluções inovadoras.

Falha: Subestimar competências individuais                             

Quando o gestor não desafia as capacidades do colaborador, este se acomoda e passa a render menos ou sente que seu potencial não está sendo valorizado e vai buscar novas oportunidades.

  • Como corrigir: eleve gradativamente o grau de qualidade/responsabilidade exigido. Observe as aptidões do colaborador e o desafie a fazer mais de acordo com seu rendimento. Não se esqueça, é claro, de reconhecer a evolução dele.

Falha: Desmerecer políticas de retenção

As estratégias de conservação de talentos são a única maneira de evitar que o know-how da organização migre para a concorrência e a empresa gaste rios de dinheiro com contratações perecíveis.

  • Como corrigir: crie uma boa política de retenção que contemple ações motivacionais, planos de carreira, benefícios extras, bônus por produtividade, autonomia, ambiente de trabalho saudável, incentivo à qualificação, entre outras vantagens.

Falha: Desprezar treinamentos

A falta de oportunidade para aprimorar-se profissional e pessoalmente faz que o colaborador se sinta puramente sugado, o que corrói sua motivação e capacidade produtiva.

  • Como corrigir: estimule a qualificação profissional como forma de crescer na empresa. Informe sobre cursos, palestras, workshops e outras atividades, oferecendo auxílio financeiro ou flexibilização de jornada para facilitar o aperfeiçoamento.

Conservar bons profissionais significa assegurar a inovação e a competitividade da empresa. Afinal, o recurso humano é o bem mais valioso de uma instituição. São as pessoas que dão vida ao negócio e fazem a empresa superar a concorrência. Por essa razão, a retenção de talentos é uma tarefa essencial em qualquer empreendimento.

Como sua empresa lida com a retenção de talentos?  Comente em nosso blog e envie uma mensagem pelo Facebook

Curta nossa página no Facebook e use o espaço para compartilhar suas experiências com a gente.

 

VOCÊ PODE GOSTAR TAMBÉM DE:

Comentários:

Século XXI Conveniada FGV - Cursos de MBA, Gestão Empresarial, Gestão Comercial

© 2018 - Todos os direitos reservados

Fundada em fevereiro de 2000, a Século XXI Desenvolvimento Organizacional Ltda. é uma empresa com atuação na área de prestação de serviços em Educação Continuada e Consultoria, com foco no setor empresarial. É conveniada da Fundação Getulio Vargas - FGV Management para as regiões Centro-Oeste, Sudoeste e Alto Paranaíba, do Estado de Minas Gerais.

Século XXI Conveniada FGV - Cursos de MBA, Gestão Empresarial, Gestão Comercial, Avenida São Vicente, 469 - 1º andar - Centro
Tel.: +55 (37) 3212-9525